sábado, 4 de fevereiro de 2012

Doenças da Pele: Cistos Epidérmicos e Triquilemais, Milium, Lúpia

Doenças da Pele

Cistos Epidérmicos, Cistos Triquilemais

O que é?

Conhecidos popularmente por "cistos sebáceos", os cistos encontrados com maior frequência são os epidérmicos e os triquilemais. O conteúdo de ambos não é sebo e sim queratina, a substância que forma a camada mais superficial da pele.

Os cistos epidérmicos são os mais frequentes e resultam da proliferação de células da epiderme dentro da derme, o que pode ser devido a uma tendência genética.

Os cistos triquilemais ou cistos pilares são menos frequentes e se originam do folículo piloso, ocorrendo principalmente no couro cabeludo. Antigamente eram chamados de cistos sebáceos.

Um cisto sebáceo, mais adequadamente chamado de cisto epidérmico é um caroço fechado abaixo da superfície da pele preenchido com material branco, semi-sólido, e de odor forte, sendo chamado de sebum. O cisto epidérmico é macio ao toque, de tamanho variado e geralmente de formato redondo. Trauma na pele, ou dos folículos cutâneos podem causar o cisto.

Algumas fontes afirmam que um cisto sebáceo deveria ser definido não pelo conteudo do cisto (sebum), mas pela sua origem (glândulas sebáceas). Como um cisto epidérmico origina-se na epiderme, enquanto outros tipos de cisto se orginam nos folículos pilosos, nenhum dos dois deveriam ser chamados de cisto sebáceo. Porém, na prática, estes dois tipos de cistos também são denominados cistos sebáceos, devido ao seu conteúdo (sebum). O cisto sebáceo stricto sensu, relacionado com a glândula sebácea, é uma condição rara.

Pode acometer qualquer segmento da pele e semimucosas. Cisto sebáceo não é canceroso (maligno). Geralmente requer tratamento médico quando apresenta crescimento ou quando se torna infectado. A excisão do cisto (cirurgia) é um procedimento relativamente simples e é curativo.

Manifestações clínicas

Apresenta vários diagnósticos diferenciais como outros cistos, tumores benignos e malignos - sendo assim, é fundamental uma consulta médica para avaliar adequadamente a doença e tratamento.

As lesões são esféricas, geralmente móveis, indolores, de consistência elástica ou endurecida. Podem variar de pequenos cistos (menores de 1cm) até lesões com vários centímetros de tamanho. A cabeça, pescoço e tronco são as regiões mais afetadas. Pode haver um ponto central, escuro, da abertura de um folículo piloso.

Os cistos são assintomáticos mas, se localizados sobre extremidades ósseas do tronco ou no couro cabeludo, podem causar incômodo ao deitar ou se encostar.

Em caso de inflamação secundária por ruptura da cápsula e/ou infecção, o cisto torna-se avermelhado, quente e doloroso.

Tratamento

O tratamento dos cistos é cirúrgico. Dependendo do tamanho, tipo e localização da lesão, o procedimento poder ser apenas a incisão, drenagem do conteúdo do cisto e destruição da cápsula com cáusticos.

O mais recomendado é a retirada completa do cisto incluindo a sua cápsula (excisão e sutura). A permanência da cápsula, ou de um fragmento desta, pode ser responsável pelo retorno da lesão.

Deve-se evitar espremer os cistos, pois isso pode provocar a ruptura de sua cápsula e eliminação de seu conteúdo dentro da pele, o que causa inflamação intensa no local.

Cistos inflamados devem ser tratados com anti-inflamatórios e antibióticos, de acordo com cada caso. A drenagem do conteúdo do cisto acelera o processo de cura.

Existe um tratamento não-cirúrgico que é efetivo: consiste em colocar diretamente sobre o cisto uma bolsa de água quente (na temperatura da água de banho) por 15 a 30 minutos duas vezes por dia durante 10 dias. O cisto diminuirá gradualmente até desaparecer (embora ele pode retornar em alguns casos). Este método funciona porque o calor derrete o material "gorduroso" (sebum) dentro do cisto, transformando-o aos poucos em pequenas quantidades de um fluido oleoso, o que facilita sua reabsorção e processamento pelo organismo.


Milium e Lúpia

O que é?

Milium são pequeninas lesões amareladas ou esbranquiçadas, superficiais, localizadas frequentemente na face e, principalmente, ao redor dos olhos. Em alguns casos o milium pode atingir tamanhos maiores. Pode surgir também em cicatrizes ou após a dermoabrasão (procedimento no qual é feito um lixamento da pele).

Lúpia, são cistos epidérmicos que aparecem na bolsa escrotal e grandes lábios. Existe uma tendência hereditária para o seu surgimento, que costuma ocorrer na fase adulta.

Manifestações clínicas

As lesões se manifestam formando cistos de coloração amarelada, arredondados ou ovalados, com dimensões que variam de poucos milímetros a um centímetro. Pode aparecer como lesão única ou várias lesões.

Tratamento

O milium pode ser destruído com a aplicação de determinados cáusticos pelo dermatologista ou através de uma micro incisão para a retirada do seu conteúdo.

O tratamento é cirúrgico e deve ser realizado por profissionais habilitados, como o médico dermatologista. A lesão deve ser retirada completamente para evitar a recidiva no mesmo local.

Colaboração: Dr. Roberto Barbosa Lima - Dermatologista
Fonte: http://www.dermatologia.net

5 comentários:

  1. Vcs poderiam me informar o custo aproximado de uma cirurgia para
    retirada de lúpias ??
    O serviço público de saúde atende ao meu caso ??

    Por favor vb_oliveira@ig.com.br Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Unknown

      Te encaminhei a resposta por e-mail.

      Excluir
  2. CARA, SE FOR LÁ, ELES IRÃO RETIRAR A LÚPIAS E E SACO JUNTOS....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gusthavo, se for necessário porque não aproveitar a cirurgia.

      Excluir
  3. ola eu posso me conciderar caso extremo ja que possua uma peq. infestaçao de lupia, tendo um aprocimadamente com 3 cn, é normal eles inflamarem e estourarem , ja q n possuem olho como espinha, e o fato de espremer para a retirada ma massa , pode ser prejudicial?meu imail. (nomeandersonlee@yahoo.com.br)obrigado

    ResponderExcluir